24 de junho de 2011



Feriado, casa da minha mãe, casamento de uma das melhores amigas e sentimentos remotos.
Lembranças da infância, adolescência, dos desejos pro futuro.
O futuro, tão esperado naquela época, chegou.
Hoje eu tenho minha casa, meu trabalho, e nunca imaginei que fosse ficar feliz por um fim de semana de sol, pra poder lavar roupas e elas secarem sem demora!
Não imaginei que depois de uns enroscos de um ano de convivência, tudo ficaria tão gostoso, e como uma pessoa tão diferente poderia me completar.
Que dormir e acordar agarrado é uma coisa rara, dá uma dor desgraçada no corpo mas não tem preço.
Que passar um domingo de pijama sem ver a cara da rua pode ser um programão, se a gente tiver disposto a isso.
Que o amor é importantíssimo, mas que a amizade e a cumplicidade são fundamentais em nossa vida, e a boa vontade... ah! essa, se não se fizer presente, não há relacionamento que resista.

...

Uns quinze minutos parada, olhando pro monitor, e percebo que mudei o foco do post.
E que mudei o foco da vida.

...

Os tais sentimentos estão aqui.
No meu antigo quarto, na minha antiga estante, na minha antiga vida, que vem se misturando com a atual como se não fizessem parte uma da outra.

...

Então eu perco as palavras.

...

Vou ali, na minha antiga cama, tentar entender como tudo funciona.
As antigas paredes, o antigo guarda roupa, os livros e alguns cds de sempre e as fotos de toda essa trajetória num painel na parede.

...

Eu vou mas eu volto.

3 comentários:

L.S. Alves disse...

Fabi como dizem pedra que rola não cria limo.
Você ciz que a boa vontade ajuda a manter um relacionamento eu creio que digo a mesma coisa, mas com outras palavras. Pra mim é a paciência que ajuda o casamento a ir em frente.
Um abraço moça e bom feriado.

Mara disse...

ô coisa boa!

R.K disse...

e a gente cresce de repente, sem perceber, assim... estamos vivendo o antigo sonho...aquele tão sonhado...
:)