29 de junho de 2011



Então, o frio chegou!
E chegou gritando, sapateando e sacudindo aqueles que se orgulham de morar num país tropical, abençoado por Deus e bonito por natureza...
Não me recordo a última vez que passei por inverno assim.
Exceto os dias frios que ficaram marcados por motivos importantes.

Minha vida social que já não anda das mais agitadas, se resume a casa, cobertor, edredon, pijama, chocolate quente, mais uma mantinha e o cobertor
de orelha, que me deixa na mão depois de pegar no sono e virar pro lado de lá. (temos lados diferentes de dormir, pois é, acontece)

Tenho trabalhado em casa, o que requer uma concentração absurda e computador desligado, já que o facebook me chama por apelido carinhoso, quase sussurrando,
me pedindo pra não fazer mais nada ao longo do dia.
Um serviço de casa ou outro, pra não esquecer meu lado amélia, uma pausa pro blog, uma conversa rápida no msn, e volto pro trabalho.

Assim caminham os dias, por pouco tempo, espero.

Eu vou mas eu volto.

24 de junho de 2011



Feriado, casa da minha mãe, casamento de uma das melhores amigas e sentimentos remotos.
Lembranças da infância, adolescência, dos desejos pro futuro.
O futuro, tão esperado naquela época, chegou.
Hoje eu tenho minha casa, meu trabalho, e nunca imaginei que fosse ficar feliz por um fim de semana de sol, pra poder lavar roupas e elas secarem sem demora!
Não imaginei que depois de uns enroscos de um ano de convivência, tudo ficaria tão gostoso, e como uma pessoa tão diferente poderia me completar.
Que dormir e acordar agarrado é uma coisa rara, dá uma dor desgraçada no corpo mas não tem preço.
Que passar um domingo de pijama sem ver a cara da rua pode ser um programão, se a gente tiver disposto a isso.
Que o amor é importantíssimo, mas que a amizade e a cumplicidade são fundamentais em nossa vida, e a boa vontade... ah! essa, se não se fizer presente, não há relacionamento que resista.

...

Uns quinze minutos parada, olhando pro monitor, e percebo que mudei o foco do post.
E que mudei o foco da vida.

...

Os tais sentimentos estão aqui.
No meu antigo quarto, na minha antiga estante, na minha antiga vida, que vem se misturando com a atual como se não fizessem parte uma da outra.

...

Então eu perco as palavras.

...

Vou ali, na minha antiga cama, tentar entender como tudo funciona.
As antigas paredes, o antigo guarda roupa, os livros e alguns cds de sempre e as fotos de toda essa trajetória num painel na parede.

...

Eu vou mas eu volto.

18 de junho de 2011



Tanto, tanto, taaaanto tempo!
Sempre penso, durante o dia, que preciso chegar em casa e escrever enlouquecidamente.
Não me afastei do mundo virtual, mas por alguns meses, a impressão que tenho, é que meu foco mudou.
Não sei exatamente para quê, mas deixei de blogar, escrever, postar fotos, embora esteja fazendo o curso de fotografia.
Ando numa fase de pouca inspiração. Pra tudo.
A convivência com pessoas parecidas comigo faz falta, muitas vezes me sinto uma estranha, onde passo a maior parte dos dias.
Me reencontro no meu mp3, com meus fones de ouvido de tantas histórias...

Eu vou voltar.
Não sei por onde, mas vou.
Escrever me faz sentir bem e é isso que eu preciso... pra ontem!

Eu vou mas eu volto.