24 de janeiro de 2009




Quando eu era pequena, eu achava que não era feliz.
Tempos depois, eu pensava, como era feliz e não sabia.
Nessa mesma época, eu era feliz, mas não tão feliz quanto queria ser.
Mais um tempo passou, eu olhava pra trás, e pensava novamente... poxa, eu era feliz.
Depois, passei por outra fase não tão feliz, e quando veio uma fase pior, veio novamente a sensação de felicidade que acabou.
Acabada essa fase, percebi que aprendi com tudo que aconteceu, e que nem era tão triste, logo, era apenas um pouco menos feliz.
E assim o tempo foi passando, eu olhando pra trás e achando que a felicidade estava cada vez mais distante.
Meu passado era a felicidade, e eu queria voltar pra lá e resgatar tanta coisa boa que aconteceu na minha vida.

O passado é feito de momentos que foram presentes um dia.

Presentes?

Um dia?

Eu fui feliz todos os dias, oras.
Eu sou feliz todos os dias, todos somos felizes todos os dias.
O grande erro, é perceber isso só depois que o dia já passou.

Eu vou mas eu volto.

21 de janeiro de 2009



Toda história de amor acaba mal.
Se acaba bem, é porque não acabou. Ou nem aconteceu.

A falta dói, a saudade dói. A impossibilidade do amor dói mais que tudo nesse mundo.

Quando acaba a gente sente raiva do outro porque não deu certo, a gente sente raiva da gente porque não deu certo.

Quem nunca teve uma noite mal dormida, ou uma dor de barriga, mesmo disfarçada por estar sofrendo por amor?

São duas vertentes, as que sofrem e as que fingem.
Sofrer por amor é brega.
É uma música do Wando, um pagode new generation ou um programa de rádio inteiro daqueles que tocam de madrugada.

Impossível acabar uma história de amor e continuar ao lado da pessoa como amigo, como se o amor não tivesse dado errado e isso não doesse.

Se a história de amor acabou bem, desculpa, mas ela não acabou.

Até que um dia passa. E quando passa a gente pode olhar para o outro sem aquela frustração.
A gente pode tentar ser amigo, ter carinho, essas coisas.
Mas isso demora.
Se bem que acredito que não exista amizade verdadeira com alguém que já foi parte integrante da nossa vida, que nos fez mal ou que mal a fizemos.

Quando quebra, é porque não deu certo.

Todos vivemos histórias de amor.
De várias formas, com diferentes intensidades.
Quem diz que nunca viveu também mente.

Porque toda história de amor (mesmo as que têm pouco amor) acabam Mal.

(minha história de amor vai bem, obrigada, rs)

Eu vou mas eu volto.

12 de janeiro de 2009



Reconheço, as vacas já foram mais anêmicas, em todos os sentidos, mas estão precisando tomar uma vitamininha.
Um tanto desanimada, pro começo de ano, tempo que todos ainda fazem planos e aproveitam o clima de férias.
Nem o verão aqui anda muito animado, dias nublados e frios pela manhã, me aterrorizam.
O tempo passa e eu não aprendo viver bem em dias sem sol.
Sinto falta de pessoas espirituosas por perto, cujas piadas possam ir além do duplo sentido.
Quero conversas concretas, indagações fundamentadas e sarcasmo na medida certa.
Lacan que me excomungue com seu papo de que a culpa de tudo é minha, que meu foco sou eu, e o mundo é meu umbigo.
Quero as coisas que gosto ao meu redor.

1 Neosaldina para as dores de cabeça.
1 Dorflex para o corpo exausto.
1 Lexotan do lado para caso queira esquecer.
1 Barra de Talento para a próxima chuva.
1 Tempinho para assimilar tudo que tem acontecido nos últimos tempos.

Santo remédio...

Eu vou mas eu volto.

6 de janeiro de 2009



Enfim, doismilenove!

Quero
Amor
Saúde
Sorte
Amigos
SoRisos
Equilíbrio
Inspiração
Preciso
Tolerância
Paciência
Bom? humor
Disposição
Dispenso
Hipocrisia
Ignorância
Falsas ideologias
Excessos
Espero
Sonhos
Realidades
Reconhecimentos
Justiça
Presença

Pra todos nós

Eu vou mas eu volto.

*meus passos, seguidos pelos dele (que tirou a foto)