29 de março de 2012



Que eu atraio gente doida, não é novidade.
Mesmo não mantendo o contato visual, devo exalar algum odor de quem tem paciência excessiva.
Deveria exalar outro, quando a mesma tá no fim, vai que o doido se manca, né?
Se bem que, doido que é doido já é manco das idéias, não vai perceber nem com o maior fedô do mundo... Agora, além dos doidos transeuntes, tenho um fixo.
Um doido pra chamar de meu (ó vida, ó céus!)
Tudo que eu não pedi pra Deus, que espero, há qualquer momento olhe pra baixo e me diga
'Rá, pegadinha do malandro!'
Queria falar mais, mas vai saber, né?
Doido esperto, anos de praia, vai que me acha aqui?
Nem tento fugir, só espero o fim do mundo chegar.
Ele vai fugir primeiro, com seu kit de sobrevivência.
É sério, eu vi!
Rota de fuga traçada, pilhas extras pra lanterna, barras de cereal e água potável.
E olha que não tô ficando doida, rs

Eu vou mas eu volto.

25 de março de 2012



Inferno astral constante, 8 meses antecipado?
Acredito que não.
 Tpm também não é.
Ô fase, viu?
O trabalho vai bem, mas o conjunto vai mal.
A vida segue, mas não daquele jeito que deveria ser.
O cachorro que estava sendo educado, regridiu e comeu até meu edredon.
A casa não pára limpa.
As roupas preferidas não servem.
As músicas ficaram enjoativas.
O jornal da rádio só dá notícia chata.
O trânsito me dá nos nervos.
Essa cidade que só me desilude.
Esse país só me faz passar vergonha... credo!
Tem hora que me sinto na contramão do mundo.
Da vida.
Todo mundo é chato e só eu sou a legal no meio dessa multidão. Todo mundo é super legal e eu não consigo acompanhar.
Não adianta.
Não acho graça em qualquer coisa engraçada por aí.
Acho graça naquela, mais imbecil de todas, porém simples.
Aquela mesma, que ninguém mais vai entender.
Daí a imbecil sou eu. Que não ri de nada, mas ri de tudo.
Tudo que todo mundo não entende.
Todo mundo vazio é assim mesmo.
Cheia sou eu.
Cheia de dúvida porque todo mundo é tão diferente e eu sou sempre tão igual.
Tão igual e tão inconstante, logo, tão diferente...
Tão diferente, sempre ali, ou aqui, sempre reclamando.
Reclamo porque não sei ficar quieta.
Reclamo porque é de graça.
Reclamo porque quero que mude.
Reclamo porque não muda bosta nenhuma.
 Talvez, seja melhor assim.

Vai que muda pra pior e estraga, né?

Eu vou , mas eu volto.