10 de novembro de 2008



Não importa o tempo, a busca deve ser incessante e o equilíbrio, fundamental.
Relações equilibradas são relações saudáveis.

Eu faço
Tu faz
Eles fazem

Aprendi, enfim! Devo fazer, mas me faça também.
Seria esse o equilíbrio das relações?

A capacidade de gerir espaços - o nosso e o do outro - e o respeito mútuo pela necessidade desse espaço que ditam muitas vezes a continuidade de tudo.
Uma relação não é um investimento unilateral, em que uma das partes tenta ser tudo aquilo que o outro espera.

Ninguém é feliz contrariando as suas próprias necessidades.
Ninguém é feliz tentando mudar-se radicalmente.
Ninguém é feliz fazendo um investimento sem retorno, dar, dar, dar e não receber uma medida semelhante àquela que damos.
Quem crê nisso, é, no mínimo, hipócrita tonto.

Não é uma questão de egoísmo, antes uma questão de equilíbrio.
Uma relação é aquilo que nos permite experimentar vários papéis, viver experiências diferentes e quem sabe crescer.
Mas não é um ensaio da felicidade. Deverá proporcionar a felicidade em si, mas não por si só.

Enfim! esse é um post chato de quem se sente chata temporariamente.


Eu vou mas eu volto.

Nenhum comentário: