14 de novembro de 2008


Eu aumento mas não invento, como já dizia meu meu não, seu! amigo Nelson Rubens.
Falo da vida alheia sim, fico indignada, descubro suluções mirabolantes pros problemas que não são meus, acho tudo fácil, tudo menos dolorido do que os respectivos analisados acham, enfim... assumo.

Porém... (adoro essa palavra) não dou palpite e não comento.
Apenas observo, o que pode se encaixar no ítem 'pesquisa de campo'.
Não sigo modelos mas sei bem o que não quero ser.
O que não quero fazer.
O que não quero nem de perto pra mim.

Pra mim!

pra = para - do latim per + ad / preposição
introduz o complemento de verbos, nomes ou adjetivos que exprimem relações de direção, destino, objetivo, destinatário da ação

mim = do latin mi /pronome pessoal
forma tônica do pron. pess. eu, é obrigatoriamente precedida de preposição (com excepção da preposição com) e desempenha a
função de complemento: 'falaram de mim' a minha pessoa.

Depois de saber bem o que não quero, vem, na ordem, o que quero.
Isso é um pouco mais complicado, pois querer, em primeiro lugar, não é poder.
Segundo, nem tudo que queremos é o melhor (a birra muitas vezes nos cega).
Terceiro, podemos querer várias coisas ao mesmo tempo, sem saber exatamente qual delas escolher.
Eu poderia fazer uma lista, mas essa por hora basta.

Eu quero aquilo que me faz feliz.
Tá, muito vago, mas implica em meus ideais, a vida que me trouxe até aqui e no monstro que me tornei.
Eu quero aquilo que acredito.
Não quero um mundo melhor nesse caso, mas acredito na pureza e na respostas das crianças... nas pessoas que escolho pra fazer parte da minha vida.
Eu quero aquilo que escolho.
Pois bem, como citado acima, se escolhi, foi porque gostei, porque era diferente, porque era a minha cara, o meu jeito, o que eu queria...
(idem ao parágrafo anterior)

Tudo muda, discursinho manjado e repetitivo, todos precisamos mudar, mas quando o seu sonho passa a ser apenas bonito, talvez seja hora de mudar de verdade.
De não querer ser igual já se foi e de querer coisas novas pra vida.

vida = do latim vita / substantivo feminino
estado de atividade
existência
espaço de tempo decorrido entre o nascimento e a morte
modo de viver
conjunto de coisas necessárias à subsistência
biografia
movimento
calor
animação
expressão animada
subsistência
sustentáculo
origem

Entender a vida não é tão difícil assim, se reparar, tá tudo no dicionário.

Eu vou mas eu volto.

Nenhum comentário: